Quem é Vaccari?

DA RESISTÊNCIA À DITADURA MILITAR À LUTA PELA
CONSOLIDAÇÃO DA DEMOCRACIA 


Militante sindical desde os anos de chumbo, Vaccari vive um novo desafio: a luta para que a Justiça de exceção não destrua a história de uma liderança política honrada e de um partido que mudou a vida dos brasileiros na última década

O ano era 1978. Aos 19 anos, João Vaccari Neto, filho de agricultores, deixava sua cidade, Lucélia, região do centro-oeste paulista, para ganhar a vida na capital. Mal chegou, foi aprovado em um concurso público para trabalhar no Banespa como escriturário.

Era um momento de efervescência política e a oposição bancária se organizava para uma greve, apesar da repressão da ditadura militar. Vaccari se interessou pelo embate político do período e, logo que entrou na agência, passou a conviver com diversos militantes que organizavam a resistência ao Regime Militar (1964-1985) que comandava o País.

Dessa convivência veio o engajamento político e a participação junto à oposição para conquistar a diretoria do Sindicato dos Bancários. O momento é descrito por várias lideranças da época como histórico porque representou a retomada da entidade.

Vaccari discursa para os bancários durante campanha salarial, em 1998

Vaccari discursa para os bancários durante campanha salarial, em 1998

Com a posse da oposição em 1979, Vaccari entrava definitivamente para militância sindical. No Sindicato, assumiu interinamente a presidência, em 1998, cargo para o qual foi eleito em 2000 e permaneceu até 2004. Participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), onde exerceu a função de tesoureiro; e da Central Única dos Trabalhadores (CUT), onde ocupou os cargos de tesoureiro, secretário-geral, secretário de Relações Internacionais e vice-presidente. Presidiu o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) de 1989 a 1990.

“O que é certo, é certo”
De aparência séria e até meio carrancuda, quem conhece Vaccari diz que ele é “disciplinador”. Para ele, o que é certo é certo, dizem os amigos. Em outras palavras, isso significa que Vaccari é irredutível quando tem a convicção de que está tomando a decisão correta, ou fazendo a coisa certa.

Segundo uma secretária que trabalhou com ele na CUT, Vaccari é, acima de tudo, um ser humano justo. E mesmo quando tinha de dizer não – na função de tesoureiro deve ter precisado fazer isso centenas de vezes -, justificava, dava uma explicação. Para a secretária, só tem essa preocupação uma pessoa que respeita o próximo.

Essa seriedade e tino para disciplinar quem trabalha com ele fez de Vaccari um profissional extremamente respeitado, com fama de cuidadoso e competente.

Foi isso que fez com que a diretoria do Sindicato dos Bancários lhe desse a tarefa de colocar em ordem toda a documentação e todas as pendências operacionais e institucionais da Cooperativa Bancoop. Naquele momento, era preciso uma liderança com as características de Vaccari para apurar as imprecisões no custo de alguns empreendimentos e, com isso, dar transparência à gestão e proporcionar o sonho da casa própria a milhares de cooperados. E foi exatamente isso que Vaccari fez, com todo cuidado, competência e transparência.

Desafios
Hoje, aos 56 anos, casado há mais de 30 anos com Giselda, e pai da médica Nayara de Lima, sua única filha, Vaccari encara um desafio tão grande quanto o que enfrentou durante a ditadura militar para lutar por direitos da categoria bancária.

O Brasil vive uma democracia, mas a perseguição política voltou a ser uma prática nacional, pelo menos quando se trata de destruir o PT.  Vaccari está preso porque a Justiça não podia “prender” o PT.

E porque muitas pessoas afirmam isso? Simplesmente porque as justificativas para a prisão carecem de um mínimo de coerência. Senão, vejamos: o juiz Sérgio Moro e o Ministério Público do Paraná entendem que a doação legal feita para o PT é crime. Para os outros partidos, parecem entender suas excelências, as doações são absolutamente legais. Se eles não pensassem assim, como explicar que nenhum outro tesoureiro, nem o do PSDB que recebeu milhões de reais das mesmas fontes, está preso?

Depoimento de amigos:
João Vaccari Neto: uma liderança que marcou minha vida
Por que eu confio e defendo João Vaccari?
Vaccari é um dirigente profundamente leal e ético
Em defesa da justiça e da democracia

3 respostas em “Quem é Vaccari?

  1. Pingback: Quem é Vaccari? | Hora do Cidadão

    • Quem está cometendo crime, é quem mantém o Vaccari preso, convivi com ele no Sindicato dos Bancários de São Paulo, fomos diretores na mesma época, muito correto e duro com os companheiros, mas também muito solidário, nos ensinava sempre o caminho correto a trilhar, sempre defendendo o interesse dos trabalhadores, por que as contribuições feitas ao PT, arrecadadas e declaradas pelo Vaccari são propina , e para os outros são só doações ?

      Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s